terça-feira, 2 de abril de 2013

Jovem revista médica diz que os países ricos são os maiores consumidores de maconha





Embora em termos de saúde pública, o uso da maconha é classificada como "modesto" e está entre a causa pelo menos drogas viciantes, não sem riscos de saúde.Cerca de 4 por cento dos adultos de maconha uso mundial, apesar dos efeitos adversos que esta droga tem sobre a saúde, de acordo com um artigo publicado no sábado pela revista médica britânica The Lancet.
Professores australiano Wayne Hall e Louisa Degenhardt fornecer uma visão geral da pesquisa.Os autores citam os dados do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC), segundo a qual, em 2006, foi de 166 milhões de usuários de cannabis (nome científico), de 15 a 64 anos, ou um 3,9 por cento da população mundial de pessoas dão essa idade.
A maconha é utilizada principalmente por jovens nos países ricos, como os Estados Unidos, Austrália e Nova Zelândia para a cabeça, aparentemente porém seu uso está se espalhando em todo o mundo.
Um conflito real
Em termos de saúde pública, o consumo de cannabis "é provavelmente modesto" em comparação com o peso social representando rapé, álcool ou outras drogas ilegais.
Segundo os autores, cerca de 9 por cento das pessoas que fumam se tornam viciados , uma porcentagem menor na hora de ser adquirido com a dependência de nicotina (32 por cento), de heroína (23), a cocaína (17 por cento), o álcool (15) e os estimulantes (11 por cento).
A maioria dos fumantes também fumam maconha rapé inveterado, o que torna difícil discernir a sua real incidência do câncer de pulmão, por exemplo.
A fumaça também contém vários tóxicos em alguns casos, altamente concentrado, para tosse e bronquite são comuns entre os fumantes. Também fumado durante a gravidez pode também ajudar a reduzir o peso do feto.
Pesquisadores alertam para o marketing atual de plantas selecionadas em alta tetrahidrocanabinol (THC), ingrediente ativo da maconha, uma vez que um alto nível isso pode aumentar os ataques de ansiedade, depressão e sintomas psicóticos entre os consumidores.