quinta-feira, 11 de abril de 2013

DEPENDÊNCIA QUÌMICA - A DOENÇA DA NEGAÇÂO

Negação em dependência química é um dos maiores obstáculos iniciais a serem superados no tratamento. Nem todos os indivíduos que fazem uso e abuso de substâncias psicoativas reconhecem que têm um problema.
A Dependência Química é conhecida entre os profissionais como a “Doença da Negação”!
A negação geralmente aparece não apenas para usuário de álcool e/ ou outras drogas, mas aparece também na família, entre os amigos e até mesmo no ambiente de trabalho. Todos se negam a ver o problema, principalmente o dependente.
Geralmente a famílias e pessoas envolvidas começam a inventar “desculpas” para o comportamento anti-social que a pessoa passa a apresentar, não querem pensar na possibilidade de que ele (ou ela) esteja fazendo uso de drogas.
Apesar de estarem todos envolvidos no problema ninguém pede ajuda, nem o dependente e nem sua família, pois não aceitam que exista de fato um problema.
Todos acreditam que o que alcoolismo e/ou uso de outras drogas acontece sempre no vizinho, na família do outro – nunca dentro da própria casa.
Isto acontece muito porque nossa sociedade, apesar de tantas discussões acerca do tema, ainda não vê a dependência química como doença. Infelizmente a maioria da população ainda vê o dependente químico como um delinquente, como um marginal.
E a fase da negação é semelhante ao processo de luto – extremamente doloroso:
Primeiro há a negação e o isolamento, você realmente não aceita que está acontecendo isto na sua família, nega e se isola: “Isso não pode estar acontecendo”. Ou então: “eu não sou alcoólatra, eu paro quando quiser”. Uso drogas “de vez em quando”, posso parar a qualquer momento (mas nunca consegue parar).
Depois acontece o processo de raiva: “Por que está acontecendo isto comigo? Não é justo.”
Em seguida vem a culpa, a auto-censura, a frutraçao: Há um sentimento de culpa por não se ter sido suficientemente bom para o seu familiar, por não ter notado o problema antes, por ter sido permissivo, ou mesmo por você mesmo ter iniciado nas drogas.
Existem também outras fases intermediárias, como o choque, a solidão, a ansiedade,
Por último vem uma tristesa imensa ou até depressão: “Que tristeza imensa. Para que continuar lutando? Nada vale a pena. Quero desistir de tudo! Já não tenho mais forças.”
É preciso ter a consciência de que a dependência química é uma doença e, como tal, precisa ser tratada. Existe recuperação, mas para isto você deve buscá-la através de tratamento especializado.
Costumamos encontrar pais e mães no auge do desespero que não conseguem compreender que o filho está doente e que precisa de ajuda profissional. Simplesmente, acham que de alguma forma o problema se resolverá sozinho, não sabem o que fazer. Ou mesmo que é uma “vergonha” pedir ajuda para este tipo de problema.
Você sem duvida já ouviu a expressão: “O tempo cura todas as feridas¨ – mas infelizmente isso não é verdade na dependência química, com o tempo o problema só se agrava já que esta é uma doença progressiva. A verdade é que muitas vezes o tempo torna as coisas ainda piores. Portanto, negar é a pior coisa que se pode fazer, só irá agravar cada vez mais o problema.
Somente quando há a real aceitação e você pensa: “Tudo vai acabar bem, posso até pensar em buscar ajuda!” é que existe alguma possibilidade de resolver o problema.
Somente quando realmente se vence esta fase de negação é que se torna possível atuar de forma eficaz sobre o problema do abuso de drogas e buscar tratamento adequado.
Se este é o seu caso, pare de se torturar com este problema, busque já uma ajuda profissional. A dependência química já virou uma epidemia em nosso país, portanto não tente resolver sozinho(a) o que já não está mais sob o seu controle!