segunda-feira, 15 de abril de 2013

DROGAS ESTIMULANTES


Bliss!



Muito pessoal tem-me confrontado com a questão… o que é o Bliss??

Acho que se referem, principalmente, à composição química da substância, quais os seus ingredientes. No entanto, isto é um pouco difícil de responder, pois dependendo do Bliss os ingredientes variam. Isto deve-se, provavelmente, ao facto de este tipo de drogas, para serem legais, terem de se adaptar à legislação que controla os estupefacientes e substâncias psicotrópicas.




Apresenta-se, normalmente, sob a forma de:
pó branco;
cápsulas.

Via de consumo:
oral (ingerida);
snifada.



Efeitos:
Euforia, principalmente, associada à musica e à dança;
Aumento da energia;
Uma agradável sensação de alteração da consciência;
Aumento da sensibilidade sensorial;
Dilatação das pupilas;
Tensão muscular (principalmente, contracção dos músculos das mandíbulas);
Aumento do ritmo cardíaco;
Aumento da temperatura corporal;
Desidratação;
Diminuição da sensação de cansaço;
Sociabilidade (maior capacidade de comunicação);
Ansiedade;
Diminuição do apetite;
Vontade de consumir mais…

Os efeitos diferem de pessoa para pessoa, da qualidade da substância e da via de consumo, mas também do contexto.

Via oral (ingerida): os efeitos surgem, aproximadamente, 30 minutos a 1 hora após a ingestão e podem durar até 6 horas.

Via snifada: os efeitos surgem, aproximadamente, 15 minutos após o snif e podem durar entre 1 a 2 horas.



Riscos:
desidratação;
espasmos musculares (maxilares);
ansiedade;
dificuldades de concentração e memória;
variações de humor (ex: irritabilidade);
depressão;
dependência psicológica;
aumento da temperatura corporal (pode chegar aos 42ºC);
perturbações do sono (ex: insónia);
fadiga;
problemas cardíacos…




MDMA – sinais de alerta!!!



As mortes provocadas pelo uso de MDMA são, relativamente, raras.

No entanto, os utilizadores podem experienciar efeitos secundários bastante desagradáveis, especialmente, quando utilizam em doses elevadas ou quando misturam com outras substâncias.

Sinais de alerta de overdose (MDMA):
Hipertermia (aumento excessivo da temperatura corporal);
Desidratação;
Batimento cardíaco, excessivamente, acelerado;
Aumento excessivo da pressão arterial;
Dificuldades respiratórias;
Convulsões;
Náuseas e vómitos;
Espasmos musculares.





Mefedrona



Aqui está uma substância que tem vindo a criar polémica nos últimos anos.

A mefedrona (mas também conhecida por Miau Miau, Meow, Blow, MMCAT,Meph ou Drone).

Esta substância não está legislada, sendo legal em Portugal. No entanto, não pode ser vendida para uso humano, sendo então comercializada como fertilizante de plantas ou como sais de banho (daí a mensagem nas embalagens – “imprópria para uso humano”).



A mefedrona é uma droga estimulante sintética que é usada como uma alternativa legal à cocaína, ao ecstasy e/ou às anfetaminas.

Apresenta-se, normalmente, sob a forma de:
pó branco ou cristal;
cápsulas ou  comprimidos.

Via de consumo:
oral; snifada.

Efeitos:
dilatação das pupilas;
movimento ocular rápido;
tensão muscular (especialmente, contracção dos músculos da mandíbula - estrica);
aumento do ritmo cardíaco;
aumento da temperatura corporal;
desidratação;
dificuldades de concentração e memória;
euforia;
diminuição da sensação de cansaço;
energia;
sociabilidade (maior capacidade de comunicação);
promove a sensação de intimidade e proximidade com outras pessoas;
ansiedade;
depressão;
perda da noção de tempo e espaço;
vasoconstrição (diminuição da espessura dos vasos sanguíneos) nas extremidades corporais (mãos e pernas);
diminuição do apetite;
vontade de consumir mais…

Os efeitos dependem de pessoa para pessoa, da qualidade da substância e da via de consumo, mas também do contexto.

Via oral: os efeitos surgem entre 15 a 45 minutos após a ingestão e podem durar entre 3 a 5 horas.

Via snifada: os efeitos surgem entre 5 a 10 minutos e podem durar entre 1 a 2 horas.



Riscos:
desidratação;
espasmos musculares (maxilares);
ansiedade;
dificuldades de concentração e memória;
variações de humor (ex: irritabilidade);
depressão;
dependência psicológica;
as extremidades corporais (mãos e pernas) podem ficar azuladas devido à pouca irrigação sanguínea (tanto mais quanto maior for a dose), podendo provocar formigueiro e dores de cabeça;
aumento da temperatura corporal (pode chegar aos 42ºC);
perturbações do sono (ex: insónia);
fadiga;
problemas cardíacos…
Como podem reduzir os riscos:



Cocaína


E como o prometido é devido… aqui está… cocaína



A cocaína deriva da folha do arbusto da coca (Erytbroxylon Coca), do qual podem existir variedades como a boliviana, a colombiana ou a peruana. E possui 0,5% a 1% de cocaína.

A cocaína enquadra-se na categoria das drogas estimulantes pois provoca um aumento de neurotransmissores na fenda sináptica e um elevado estímulo das vias de neurotransmissão, nas quais a dopamina e a noradrenalina estão implicadas. Deste modo, é um estimulante do Sistema Nervoso Central, agindo sobre ele com efeito similar ao das anfetaminas.

É comercializada sob a forma de um pó branco cristalino, inodor, de sabor amargo e insolúvel na água.

É, normalmente, designada de: coca, branca, gulosa, snow…

Via de consumo:
inalada (fumada em base ou crack);
snifada;
endovenosa (injectada).
Efeitos:

Euforia;
Agitação;
Desinibição;
Autoconfiança;
Excitação sexual (no entanto, pode ser difícil a erecção);
Alterações de humor;
Ansiedade;
Aceleração do ritmo cardíaco;
Aumento da temperatura corporal;
Insónia;
Agressividade;
Alucinações (geralmente, tácteis, como a sensação de ter formigas, insectos ou cobras imaginárias debaixo da pele)…

Os efeitos, embora intensos, duram apenas cerca de 30 minutos.

Riscos:
irritabilidade;
crises de ansiedade e pânico;
apatia sexual ou impotência;
perturbações alimentares (ex: anorexia e/ou bulimia);
diminuição da capacidade de concentração;
psicose (ideias delirantes de tipo persecutório e/ou alucinações auditivas e/ou visuais);
perturbações cardiovasculares (ex: taquicardias, arritmias…);
a tolerância desenvolve-se rapidamente quando o consumo é contínuo;
forte dependência psicológica…





MDMA (ecstasy)!!!



Ontem as anfetaminas, hoje o ecstasy…

O ecstasy é o derivado sintético das anfetaminas, e por isso não fazia sentido falar de um sem referir o outro.



Tal como as anfetaminas, o ecstasy também se enquadra na categoria das drogas estimulantes. Contudo, o facto de a sua composição química ser semelhante à da mescalina (alucinogéneo), permite que também seja classificado como uma droga perturbadora (ou psicadélica). É tem apelidado de MDMA (MetileneDioxoMetaAnfetamina) ou XTC.



Pode ser apresentado sob a forma de comprimidos, cápsulas ou pó (de diversos aspectos, tamanhos e cores, de forma a tornar-se mais atractivo).

Via de consumo:
oral;
inalada;
endovenosa (injectada).

Efeitos:
aumento da sensibilidade sensorial;
euforia;
agitação;
desinibição;
sociabilidade (maior capacidade de comunicação);
promove a sensação de intimidade e proximidade com outras pessoas;
despreocupação;
autoconfiança;
perda da noção de tempo e espaço;
contracção dos músculos da mandíbula;
aumento da pressão sanguínea;
dilatação das pupilas;
desidratação;
dores musculares.
Os primeiros efeitos surgem após 20-70 minutos, alcançando a fase de estabilidade em 2 horas. E, normalmente, desaparecem 4 a 6 horas após o consumo. Podem ocorrer algumas consequências residuais nas 40 horas após ao consumo.
Riscos:

Cansaço;
Esgotamento;
Desidratação;
Aumento da temperatura corporal (pode chegar aos 42ºC);
Sonolência;
Depressão;
Ansiedade;
Perturbações do sono (ex: insónia);
Episódios paranóides ou psicóticos;
Problemas cardíacos.
Como podem reduzir os riscos:

A variabilidade do ecstasy não está apenas presente no seu aspecto, tamanho e cor, está também na sua composição, o que faz com que muitas vezes os consumidores não saibam exactamente o que estão a tomar. Deste modo, é importante saber o que se está a consumir, tanto quanto possível;
Devem ingerir água ou bebidas não alcoólicas para combater a desidratação (Atenção: a ingestão excessiva de água também pode ser perigosa – intoxicação de água pode ser fatal);





Anfetaminas


As anfetaminas são de origem sintética e enquadram-se na categoria das drogas estimulantes. São, normalmente denominadas por: speed, cristal ou anfes.

Podem ser apresentadas sob a forma de comprimidos, cápsulas, pó (normalmente branco, mas também pode ser amarelo ou rosa) ou líquido.



Via de consumo:
via oral;
inalada (fumada);
snifada;
via endovenosa (injectada).

Efeitos:
provocam hiperactividade e uma grande necessidade de movimento;
aumentam a atenção e a concentração;
diminuem o apetite e o sono;
provocam uma grande sensação de euforia;
aumentam a confiança, e consequentemente, diminuem a auto-crítica.
Os efeitos podem durar de 6 a 12 horas.

Riscos:
desidratação;
espasmos musculares (maxilares);
ansiedade;
agitação;
variações de humor (ex: irritabilidade);
a tolerância a esta droga desenvolve-se rapidamente, aumentando assim o risco de dependência (principalmente, psicológica);
a longo prazo – perturbações psicológicas (ex: depressão e psicose).