segunda-feira, 15 de abril de 2013

DROGAS DEPRESSORAS


Heroína


Como já referi antes, não considero que o contexto seja o factor principal para o consumo de determinada substância, embora seja um factor importante. Na minha opinião, a principal motivação é o efeito que determinada substância proporciona. Sendo assim, devemos considerar a heroína como uma substância possível nestes espaços.



A heroína (cavalo, castanha, pó, brown sugar…) é produzida a partir da papoila (de onde é extraído o ópio) e é considerada uma droga depressora do sistema nervoso central (SNC).

Apresenta-se sob a forma de pó, geralmente castanho ou branco (quando pura) de sabor amargo.

Via de consumo:
inalada (fumada);
snifada;
endovenosa (injectada).

Efeitos:
naúseas;
vómitos;
sensação de bem-estar;
excitação;
euforia;
prazer;
sensação de tranquilidade;
alivio da dor e da ansiedade;
incapacidade de concentração;
depressão;
sonolência;
diminuição da temperatura corporal;
impotência;
depressão do ciclo respiratório…

Os efeitos podem durar de 4 a 6 horas.



Riscos:
alterações ao nível do peso (emagrecimento extremo);
infecções gastrointestinais;
patologias ginecológicas;
apatia;
letargia;
depressão;
problemas relacionados com infecções (devido à utilização da seringa – aparecimento de chagas, abcessos, hepatite, SIDA…);
problemas relacionados com a adulteração da substância (mistura com produtos tóxicos ou prejudiciais como açúcar em pó, talco, lactose, farinha…);
o consumo crónico pode potenciar problemas a nível social, desestruturação familiar, desemprego…




GHB


O GHB, abreviação de Gama-Hidroxybutyrate, enquadra-se na categoria das drogas depressoras (deprime o Sistema Nervoso produzindo efeitos anestésicos e sedativos). No entanto, tem também uma acção perturbadora (psicadélica).



Apresenta-se sob a forma de:
líquido (ligeiramente, mais espesso do que a água), incolor (embora possa ser tingido de qualquer cor), sem cheiro e um pouco salgado;
cápsulas (pouco frequente);
pó (pouco frequente).

Via de consumo:
oral (ingerida);
endovenosa (injectada).


Efeitos:
maior sensação de energia;
bem-estar;
euforia;
relaxamento;
aumento da auto-confiança;
desinibição;
tonturas;
abrandamento do ritmo cardíaco;
vómitos;
dores de cabeça;
amnésia;
perda do controlo muscular;
problemas respiratórios;
perda de consciência (ex: desmaio);
alucinações;
desorientação;
discurso incoerente;
coma;
morte.

Riscos:
convulsões;
problemas respiratórios (ex: falta de ar);
coma;
dependência física e psicológica;
morte.




Álcool


O álcool é a droga mais conhecida e socialmente aceite. Insere-se no grupo das drogas depressoras, pois bloqueia o funcionamento do SNC provocando um efeito depressor.

O álcool é um líquido incolor produzido a partir de cereais, raízes e frutos. E pode ser obtido mediante:

a fermentação destes produtos, atingindo concentrações que variam entre 5 e 20% (ex: cerveja, vinho);

ou, por destilação e/ou adição de álcool resultante de destilação, que pode aumentar a concentração etílica até 40% (ex: aguardente, gin, whisky, vodka).

Efeitos:
Relaxamento;
Desinibição;
Euforia;
Aumento da auto-confiança;
Sonolência;
Visão turva;
Diminuição da capacidade de reacção, atenção e concentração;
Irritabilidade;
Episódios de amnésia.

Riscos:
O consumo exagerado pode provocar vómitos, dores de cabeça, diminuição da temperatura corporal, desidratação, descoordenação motora, lentidão dos reflexos, vertigens, dupla visão e perda do equilíbrio;
O facto de se sentirem muito seguros de vocês próprios pode levar à adopção de comportamentos de risco (ex: conduzir sob o efeito de álcool ou a não utilização do preservativo nas relações sexuais);
Em casos de intoxicação aguda podem ocorrer episódios de amnésia, perda da consciência, coma etílico, e até mesmo morte por depressão cardio-respiratória;
A longo prazo pode verificar-se a deterioração e atrofia do cérebro, diminuição das defesas imunitárias, alterações cardíacas, e cirrose hepática;
A mistura de álcool com outras drogas (principalmente, com outras drogas depressoras – ex: heroína) é extremamente perigosa, podendo levar à morte;
A nível psicológico e neurológico: podem ocorrer episódios de mania da perseguição e, nos casos mais graves, demência alcoólica.