sexta-feira, 3 de maio de 2013


Estamos levando a mensagem, ou o adicto?


Uma noite destas, estava em uma reunião, quando aconteceu algo que sempre me aborrece muito, então resolvi escrever a respeito. Logo depois que a reunião começou, percebi que estavam circulando na sala as listas de telefones sabe, aquelas que nós imprimimos e distribuímos nas reuniões, junto com as fichas brancas, ou que vemos sobre a mesa, próximas às listas de reuniões? 
Bem, eu não ligo muito para esta prática, que chamam de “tradição”.
Observei enquanto o companheiro circulava com as listas na mão, pela sala. Acho que não faz diferença se alguém anda com as listas ou se elas são passadas de um companheiro para outro, contanto que somente homens ou somente mulheres coloquem seus nomes e telefones, dependendo de quem vá receber a lista  se homem, ou mulher. Isto tudo é feito apenas com o intuito de conseguir números de telefone para nossos companheiros mais novos. Este costume começou há dois anos por intermédio de alguém de outra área, porque essa era a maneira como eles faziam lá. No decorrer da reunião, as listas começaram a chegar cada vez mais perto de mim. Em vez de me deparar com isso, fechei os olhos e ignorei o que estava acontecendo com elas. Pensei que, se eu as ignorasse, elas me ignorariam. Pelo menos, se as listas são passadas de mão
em mão, você pode se sair bem e simplesmente passá-las adiante.
Sentado ali, de olhos fechados, comecei a me centrar, e concentrar na pessoa que estava partilhando. Estava em estado semi-meditativo, quando bateram no meu ombro. Então, abri os olhos e as listas estavam postas debaixo do meu nariz.
Perguntei: “Para que é isto?”
A resposta foi: “Para um casal de recém-chegados.”
Eu respondi que não fazia aquilo e que, se eles quisessem o meu telefone, poderiam me pedir.
A pessoa disse que sentia muito, e que pensou que era para isso que está vamos ali.
Meu amigo, que estava sentado ao meu lado, achou tudo muito engraçado, e sugeriu: “Anote o 911 para eles”.
Existem algumas coisas neste incidente que são muito revoltantes para mim. Em primeiro lugar, não sei por que aquela pessoa achou que deveria carregar as listas pessoalmente pela sala.
Segundo, a declaração que fez depois de pedir desculpas, dizendo que pensava que era para isso que estávamos ali.
A segunda frase talvez tenha sido a mais desanimadora das duas.
Percebi que aquela pessoa era relativamente recém-chegada, e não pretendi ser rude, mas fico me perguntando o que nós estamos passando aos recémchegados, seguindo esta recente “tradição”. Penso que, em vez de seguir e ensinar novas “tradições”, talvez devêssemos seguir e ensinar as Doze Tradições
de NA.
Sempre me disseram que levamos a mensagem, não o adicto. Disseram-me que o grupo estava ali para ajudar a cada um de nós a crescer em recuperação. O que as tradições nos proporcionam é unidade de propósito. Estamos aqui para transmitir a mensagem de que você nunca mais precisará usar e que, se você
quiser o que nós temos, terá de fazer o mesmo que nós fazemos.

Quando cheguei à irmandade, ouvi:

• Não use, aconteça o que
acontecer.
• Vá às reuniões.
• Consiga e use um padrinho.
• Vá a 90 reuniões em 90 dias.
• Anote números de telefone e
use-os.
• Trabalhe os passos.
• Reze.
• etc, etc.

Todas estas atitudes, e muitas outras, são ferramentas do programa. Ninguém me disse que faria estas coisas por mim.
Disseram-me que eu é que deveria fazê- las, mas que me mostrariam como, porque eu não conseguiria sozinho.
Agora, voltando à questão dos números de telefone – aconselharam-me a consegui-los e ligar para eles. Foi-me sugerido que, se ouvisse alguém partilhar e me sentisse identificado com alguma coisa que dissesse, deveria lhe pedir seu telefone.
Quando comecei a freqüentar reuniões, foi-me recomendado que anotasse pelo menos dois ou três números de telefone a cada reunião. Isto é e às vezes continua sendo algo difícil para mim.
Precisei praticar alguma humildade para me dirigir a alguém e pedir alguma coisa. Fiz algumas vezes o que foi sugerido, e juntei um pouco mais de munição para a luta contra a minha doença.
A etapa seguinte era ter de usar os números e ligar para as pessoas. Nenhum deles serve para nada se não for usado. Precisava me aproximar das pessoas e começar a utilizar esta nova ferramenta, antes que eu me enrolasse e fosse obrigado a usá-la. Como a prática leva à perfeição, quanto mais eu fizer uma coisa, mais fácil fica fazer.
Esta foi uma valiosa ferramenta para a minha recuperação. Quando me sentia isolado, as pessoas me ligavam. Quando estive isolado por uma razão ou por outra, então pude procurar outras pessoas e ligar para elas.
Passando a lista de telefones pela sala para anotar números, estaremos ajudando os adictos a aprenderem estas ferramentas maravilhosas, ou permitindo que permaneçam no isolamento? Praticando este comportamento, estamos lhes O serviço em NA acontece quando os companheiros e grupos se unem para
levar a mensagem e “doar”, a fim de ficarem limpos. Freqüentemente, ouvimos um companheiro partilhar na reunião o quanto a participação no serviço acrescentou à sua recuperação. Muitos iniciam esse envolvimento imediatamente, prestando serviço ao seu grupo, fazendo a arrumação ou qualquer outra tarefa útil para os demais. Há quem encontre o seu nicho de serviço no contato pessoal, ajudando aos adictos individualmente. Existem membros, ainda, que preferem servir em algum dos muitos comitês de área ou regionais. Diversos companheiros decidem trabalhar nas linhas de ajuda, porque foi através delas que se deu seu primeiro contato com NA. Outros, que ouviram pela primeira vez a mensagem de NA em uma institui- ção através de um painel de H&I, ficam propensos a participar de um painel também, para fazer o mesmo.
Nossos passos e tradições indicam que é necessário levarmos a mensagem, individualmente e enquanto grupos, e que podemos criar quadros de serviço e comitês para nos ajudarem neste propósito. Nossa literatura descreve ainda as diferenças entre nossos grupos e comitês, e os motivos da sua existência. A
Primeira Tradição informa que o bemestar comum é essencial e que cada um de nós é igualmente responsável pelo bem de NA. A segunda parte desta tradição diz que, para que todos nós possamos continuar em recuperação, as reuniões e serviços de NA devem continuar existindo, outros adictos precisam
ter a chance de encontrar NA, e que devemos estar sempre dispostos a ajudar uns aos outros.
Não importa quais sejam as experiências ou crenças individuais a respeito da natureza exata da relação entre a recuperação e o serviço parece que as pessoas participam do serviço porque estão em recuperação, que essa participação acrescenta algo à sua recuperação, e que o trabalho é necessário para que outros adictos encontrem esse caminho. Definitivamente, o serviço e a recuperação estão interligados. Existem
diversos aspectos dessa ligação, e parece importante ajudarmos os companheiros a encontrarem uma forma de O serviço em NA acontece quando os companheiros e grupos se unem para levar a mensagem e “doar”, a fim de ficarem limpos. Freqüentemente, ouvimos um companheiro partilhar na reunião o quanto a participação no serviço acrescentou à sua recuperação. Muitos iniciam esse envolvimento imediatamente,
prestando serviço ao seu grupo, fazendo a arrumação ou qualquer outra tarefa útil para os demais. Há quem encontre o seu nicho de serviço no contato pessoal, ajudando aos adictos individualmente. Existem membros, ainda, que preferem servir em algum dos muitos comitês de área ou regionais. Diversos companheiros decidem trabalhar nas linhas de ajuda, porque foi através delas que se deu seu primeiro contato com NA. Outros, que ouviram pela primeira vez a mensagem de NA em uma instituição através de um painel de H&I, ficam propensos a participar de um painel também, para fazer o mesmo.
Nossos passos e tradições indicam que é necessário levarmos a mensagem, individualmente e enquanto ngrupos, e que podemos criar quadros de serviço e comitês para nos ajudarem neste propósito. Nossa literatura descreve ainda as diferenças entre nossos grupos e comitês, e os motivos da sua existência. A
Primeira Tradição informa que o bemestar comum é essencial e que cada um de nós é igualmente responsável pelo bem de NA. A segunda parte desta tradição diz que, para que todos nós possamos continuar em recuperação, as reuniões e serviços de NA devem continuar existindo, outros adictos precisam
ter a chance de encontrar NA, e que devemos estar sempre dispostos a ajudar uns aos outros.
Não importa quais sejam as experiências ou crenças individuais a respeito da natureza exata da relação entre a recuperação e o serviço – parece que as pessoas participam do serviço porque estão em recuperação, que essa participação acrescenta algo à sua recuperação, e que o trabalho é necessário para
que outros adictos encontrem esse caminho. Definitivamente, o serviço e a recuperação estão interligados. Existem diversos aspectos dessa ligação, e parece importante ajudarmos os companheiros a encontrarem uma forma de ensinando, ou virando as costas para eles? Anotando nosso telefone nessas listas que são passadas, estaremos estendendo a mão, ou sendo impessoais, não querendo realmente ser identificados? A questão é: estamos levando a mensagem, ou o adicto?
Pessoalmente, considero essa prática uma facilitação. Não creio que fortaleça Narcóticos Anônimos, mas que, pelo contrário, nos dilua e enfraqueça. Nossa mensagem é forte. Não vamos enfraquecê-la, escolhendo o caminho mais fácil.
Espero que este artigo facilite a discussão entre os adictos e grupos. Espero que nos ajude todos a pensar no que estamos fazendo, quando simplesmente anotamos nosso telefone e passamos a lista adiante – talvez sem sequer saber ou nos importar para quem ela será oferecida. É isto que queremos fazer, enquanto membros? É esta a mensagem que desejamos que nossos grupos passem? E quanto aos companheiros mais novos? É isso que você quer, ou você prefere aprender uma nova maneira de viver? Em todos estes anos em que estou em Narcóticos Anônimos, já juntei muitos números de telefone. Se não conseguir ligar o nome ao rosto ou história da pessoa, nunca vou utilizar aquele número. E, de todas as pessoas que consigo reconhecer, só telefono para uma a cada dez, no máximo. Darei meu número a qualquer um que me peça. Só servirá se você o utilizar. Se não conseguir ligar o meu nome ao meu rosto, então, quais as chances reais de que seja utilizado, e que eu tenha a oportunidade de ajudar alguém a usar o telefone para ficar vivo, limpo e conectado?