domingo, 26 de maio de 2013

Espermatozóides de homens que fumam maconha são mais lentos e dificultam concepção


LONDRES - Os espermatozóides de homens que fumam maconha com freqüência perdem histamina e entram em combustão, o que pode impedir a fecundação. A afirmação foi feita por estudo publicado nesta segunda-feira pela Universidade Estadual de Nova York em Buffalo. Trata-se do primeiro estudo dos padrões de "nado" do espermatozóide de homens que fumam maconha. "O esperma de pessoas que fumam marijuana se move rápido demais antes da hora", disse Lani Burkman, principal autor do estudo, em declaração.

"Para se acoplar ao óvulo, o espermatozóide tem que nadar como louco - isso se chama hiperativação - e tem que ser vigoroso na hora certa. Fumar maconha bagunça o sistema natural regulatório", afirma ele. "Tudo acontece no tempo errado. Esses espermatozóides entrarão em combustão antes de chegarem ao óvulo e não serão capazes de completar a fertilização".

O estudo, divulgado na conferência anual da Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva de San Antonio, descobriu que homens que fumam maconha têm menos espermatozóides devido à quantidade menor de fluido seminal.

Um dos ingredientes da maconha, tetrahidrocanabinol, ou THC, é a substância psicoativa que causa o efeito da droga.

"Não sabemos exatamente o que está acontecendo para mudar o padrão de funcionamento de esperma, mas achamos que é uma dessas duas coisas: o THC pode desarranjar o funcionamento do tempo do esperma por estímulo direto ou pode passar mecanismos de inibição naturais. Seja qual for a causa, os espermatozóides estão nadando muito rápido, cedo demais".

Um estudo anterior mostrou que a cápsula de enzima do espermatozóide humano muda quando exposta a altos níveis de THC. Como resultado, o espermatozóide tem dificuldades de se acoplar ao óvulo antes da fecundação.