segunda-feira, 18 de março de 2013

SEMPRE ME REFUGIEI......


Todos temos máscaras...



Algumas muito mais enraizadas do que imaginamos!

Aprendemos desde pequenos que nossas mascaras nos protegem do perigo:
- Não fale com estranhos!.
- Mesmo que este estranho seja um senhorzinho simpático?
- Òh principalmente com estes!!!
- Não fale, não sorria!!!
- Faça cara de brava!
- Não aceite doces de estranhos!!!

As mascaras fazem com ganhemos privilégios
- Faz carão, que ele não vai resistir!
- Carinha de dó, de desejo, de "inocente".

Vamos aprendendo que devemos usar aquela ou outra mascara dependendo do lugar... Virando camaleões, reis do disfarce!

Mas um dia você se perde, olha no espelho e não reconhece aquela máscara refletida.
Se vê sozinha no meio de outras pessoas mascaradas, já não sabe identificar o que é real e o que são apenas as outras pessoas "se inventando".
Questiona as pessoas a sua volta,
Questiona se estão lá por você, ou pelas mascaras que você vestiu.
Questiona se estão lá por elas ou por suas próprias mascaras.
Não se acha mais nos personagens que inventou, ou se não inventou, nos personagens que a vida te presenteou como carapuça.


E decide voltar, reescrever o 4º Passo, minuncioso e destemido, dolorido mas real, olha para trás e descreve fatos, sentimentos e sensações, sem justificativas inventadas, racionalizações, ou desculpas esfarrapadas, volta lá e se descobre mais um pouco... "Ah... então é por isso que eu...."

E volta sabendo mais de você, e menos do mundo, rs, do mundo louco que ainda precisa viver de mascaras.
E volta mais leve, sabendo que responsabilidade é diferente de culpa, e que o papel de vítima é apenas uma questão de escolha.
E volta mais verdadeira, mais amorosa consigo mesma, entende que pode se sentir insegura que isso é apenas uma posição defensiva, reflexiva e não uma posição de fraqueza - Aliás!Tem que ter muita coragem para aceitar a insegurança.
E volta muito mais critica, no começo, é como se tudo fosse uma grande farsa, olhamos nossos amigos mais íntimos, nossos pais, nossos companheiros com uma estranheza absurda, afinal as pessoas não entendem porque acham normal simularem, inventarem, "pequenas mentiras", você se choca, se amedronta, mas aceita que só pode modificar a si mesma.