domingo, 2 de junho de 2013

Drogas. Culpa da família? Ou falta de vergonha na cara?






Tudo tem um começo até mesmo o uso de drogas e sempre procuramos um culpado, a pergunta que não se cala é: Como aconteceu? Quem teve culpa? Por que o meu filho usou drogas?

As vezes é normal o usuário culpar a família, as vezes parte da família acha que é falta de vergonha na cara do ente querido, as vezes pensamos ser as duas coisas e muitos não conseguem responder quando lidamos com o fato de que o uso de drogas acontece até mesmo nas melhores famílias, aquelas com estrutura familiar bem formadas, que agem com respeito, honestidade e diálogo aberto. Então quem é o culpado?

Bom, precisamos entender o que é o uso de drogas para descobrir isso. O uso de drogas é apenas um estágio da doença da adicção. A pessoa que usa drogas ela tem sérios problemas com compulsão, obsessão e egocentrismo. Algumas pessoas depois de recuperadas das drogas acreditam que eram adictos natos, outros acreditam que adquiriram depois de um tempo a doença. Mas todos tendem a chegar os mesmo finais, prisões, instituições e morte se a doença não for paralisada.

O que fica claro é que entendendo o uso de drogas como doença percebemos que não há culpado, o adicto pode estar em uma família usurpada de valores morais ou em uma boa família, ele pode estar no Japão ou em Camarões ou em qualquer outro lugar.
Pais separados, traição dentro da família, abuso sexual, falta de atenção, podem gerar vários problemas psicológicos no entanto não podemos dizer se a pessoa se tornará ou não um adicto, só é possível perceber no momento em que a pessoa já está com sua vida fora de controle.
Mas fica uma pergunta então por que a pessoa chega a usar drogas? Isso não é falta de vergonha na cara?

Não. O adicto é tomado pela doença é um poder maior do que ele possa controlar, sua fome obsessiva faz com que ele tome decisões levadas por imediatismo e sua compulsão não o deixa parar chegando a um tormento de de sofrimento ele se afasta e se isola acreditando que todas as pessoas são diferentes dele e que o mundo deveria ser como ele deseja.

Os impulsos são mais fortes que a força de vontade, a vontade de agradar os outros o pressiona para ter a aceitação que ele deseja. Ser doente o isenta de culpa, mas ao saber disso passa a ter uma responsabilidade a sua recuperação.

Ao iniciar o tratamento Vida Serena o paciente aprende a lidar com essas rotinas, com o trabalho de passos e ajuda de profissionais o adicto começa a ter a escolha de não usar mais e fazer um trabalho contínuo para que não deixe que sua doença tome conta de suas vontades e de sua vida.

A culpa não é da família, não é do paciente e não é de ninguém, o paciente nasceu ou adquiriu uma doença e agora é hora de sua recuperação pois agora sabemos a verdade
.