domingo, 2 de junho de 2013

Cigarro mata 350 pessoas diariamente no Brasil e 10 mil em todo o mundo



O cigarro é um dos produtos de consumo mais lucrativos no mundo. Os fabricantes ostentam uma clientela fiel e leal. O único problema é que seus melhores clientes morrem um a um. São também os únicos produtos legais que viciam a maioria dos consumidores e muitas vezes, o matam. Porém, a venda acarreta grandes lucros para a indústria do tabaco, mas enormes prejuízos para os consumidores.

Um estudo realizado pela Aliança de Controle do Tabagismo (ACT) revela que o Brasil gasta em torno de R$ 21 bilhões no tratamento de pacientes com doenças relacionadas ao cigarro. O estudo demonstra ainda que o tabagismo é responsável por 13% das mortes no País. São 130 mil óbitos anuais, sendo (350 por dia). Dados do Ministério da Saúde indicam que a fumaça do cigarro reúne cerce de 4.700 substâncias tóxicas diferentes, muitas delas cancerígenas.

Mesmo sendo de conhecimento dos consumidores do cigarro, sobre os riscos de doenças que podem levar a morte, os usuários não se intimidam e continuam fazendo uso do tabaco, ignorando a propaganda que trás nas carteiras, fotos de pessoas em estágios terminais e com diversos tipos de câncer e pulmões doentes.

Há um ano, o trabalhador rural José Carlos Souza Santos, 52 anos, descobriu um caroço embaixo da língua. Ao procurar um especialista, o médico pediu exames com urgências e foi diagnosticado um câncer avançado que já tomava a garganta. “A primeira pergunta que o médico fez foi: Você é fumante há quanto tempo? Hoje vejo o mal que o cigarro fez na minha vida. A gente nunca acha que vamos ser surpreendido com uma doença dessa. Se tivesse uma nova oportunidade, nunca fumava em minha vida”, ressaltou.

José Carlos fumava desde a adolescência. Quando não tinha dinheiro para comprar o cigarro industrializado, ele usava o cigarro feito com fumo de rolo. Ele já passou por duas cirurgias, perdeu parte da língua e fala e se alimenta com dificuldades. Há quinze dias, foi surpreendido com a notícia de que o câncer havia voltado, porém, os médicos disseram que não podem fazer mais nada. Hoje, ele se encontra desenganado pela medicina, fazendo uso apenas de morfina para amenizar a dor causada pela doença.

O pneumologista Francisco Hora Fontes explica que o tabagismo é uma doença crônica, causada pela dependência do tabaco, e que os produtos derivados do tabaco, especialmente os cigarros, são feitos para criar e manter dependência química nos consumidores. Francisco disse que há uma série de doenças que podem ser desencadeadas pelo vício, como acidente vascular cerebral, trombose, enfisema pulmonar, infarto, cânceres na boca, língua, pulmão, mama, bexiga dentre outros. “Em geral, o cigarro é uma fonte inesgotável de doenças causado pelos fumantes ativo e passivo”, completou.

Dependente precisa buscar ajuda
O médico ainda acrescentou que a dependência maior do cigarro é por causa do uso da nicotina. “A nicotina é um artefato para que os indivíduos criem dependência, pois ela age no cérebro dando ao indivíduo sensação de prazer e relaxamento. É como se fosse um antidepressivo, se não fizesse mal, seria uma droga excelente, mas a nicotina mata. Ela entope as artérias que consequentemente, acarreta em mortes”.

O viciado em cigarro precisa contar com muito esforço e apoio médico para deixar a dependência. Segundo Francisco Fontes, não é fácil o indivíduo deixar o cigarro da noite para o dia.
“Devido à dependência, o fumante precisa buscar ajuda de remédios e psicológica para se livrar do tabaco. Hoje, temos vários hospitais conveniados com o SUS que prestam todo atendimento aos indivíduos que querem deixar o cigarro”, ressaltou o médico.

Desde 2011, aquele hábito de acender um cigarro no restaurante, na padaria e no bar deixou de existir, graças à lei federal que proíbe o fumo em ambientes fechados. Nos consultórios e hospitais, a percepção dos médicos é a de que essa proibição está surtindo efeito, com a diminuição de pessoas que faziam uso do cigarro. Conforme Francisco Fontes, se comparado a outras épocas, hoje o número de fumantes no Brasil diminuiu 50%, graças a campanhas antitabagismo.

Dez mil mortes por dia é o número de óbitos registrados em decorrência ao consumo de cigarro em todo planeta, segundo a Organização Mundial da Saúde. O estudo indica ainda que o tabaco é a principal causa de morte no mundo, seguida pelo álcool e pela inalação indireta do fumo, ou seja, que atinge aquele indivíduo que não fuma, mas convive com fumantes.

Apesar dos números alarmantes, o Ministério da Saúde destaca Salvador como uma das capitais brasileiras com o menor índice de fumantes, com uma incidência de 9%, ficando atrás apenas de Maceió, com população de 8% de fumantes. O baixo consumo de tabaco na capital baiana é o resultado do intenso trabalho realizado pela Secretaria Municipal da Saúde (SMS) que em 2006 implantou o Programa Municipal de Controle do Tabagismo, que somente no ano passado tratou mais de 800 pacientes nas unidades de referência de sua rede.

Com o objetivo de reduzir ainda mais a incidência do tabagismo em Salvador, a mortalidade por doenças associadas ao cigarro,a SMS realiza amanhã (29) atividades pontuais contra a doença. As ações serão alusivas ainda ao Dia Mundial de Controle ao Tabaco, celebrado em 31 de maio.

Serviços gratuitos
Rio Vermelho
O Distrito Sanitário Barra Rio Vermelho realiza, das 8 às 12 horas, no espaço conhecido como Largo da Dinha, no Rio Vermelho serviços como avaliação da função respiratória, aferição de pressão arterial, orientações nutricionais como medição de peso, altura e circunferência abdominal, avaliação com estomatologista para prevenção de câncer de boca, além de distribuição de cartilhas e informações sobre os riscos do tabagismo oferecidos gratuitamente à população.

Profissionais de saúde do Centro de Referência em Doenças Cardiovasculares – CRDC Adriano Pondé em parceria com a Sociedade Brasileira de Cardiologia – Seção Bahia e Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia – Secção Bahia, estarão disponíveis, a partir das 13h30, para dirimir dúvidas e encaminhar interessados para tratamento gratuito na rede pública de saúde.

Pernambués
A partir das 13h30, o Centro de Atenção Psicossocial - CAPS ad Pernambués promove uma aula aberta, em sua sede, sobre os males do tabagismo e suas implicações na saúde do indivíduo. A unidade está localizada na Rua Conde Pereira Carneiro, nº 271, Pernambués.

O tabagismo é uma doença caracterizada pela dependência da nicotina, classificada no grupo de transtornos mentais e de comportamento decorrentes do uso de substâncias psicoativas. A Organização Mundial da Saúde estima que um terço da população mundial adulta, isto é, 1 bilhão e 200 milhões de pessoas (entre as quais 200 milhões de mulheres), sejam fumantes.

O consumo de derivados do tabaco causa quase 50 doenças diferentes, principalmente as cardiovasculares (infarto, angina) o câncer e as doenças respiratórias obstrutivas crônicas (enfisema e bronquite). O tabagismo ainda pode causar impotência sexual no homem, complicações na gravidez, aneurismas arteriais, úlcera do aparelho digestivo, infecções respiratórias e trombose vascular.

Atualmente, a SMS, através de oito unidades, desenvolve atividades do Programa de Controle do Tabagismo, são elas:

-- CAPS ad Pernambués;
-- Centro de Saúde Dr. Edgard Pires da Veiga - Pau da Lima;
-- 14º Centro de Saúde Prof. Mário Andréa - Sete Portas;
-- USF Candeal Pequeno - Brotas;
-- 13º Centro de Saúde Prof. Eduardo Mamede - Mussurunga;
-- USF Dona Iraci Isabel da Silva - Gamboa;
-- Centro de Referência em Doenças Cardiovasculares - CRDC Adriano Pondé - Amaralina;
-- Centro de Saúde São Francisco - Tororó;

Dia Mundial sem Tabaco
O Hospital Especializado Octávio Mangabeira (HEOM), especializada em doenças pulmonares terá várias atividades em comemoração ao Dia Mundial sem Tabaco comemorado no dia 31 deste mês. Com apoio do Programa Estadual de combate ao Tabagismo, a comemoração será antecipada para hoje a partir das 15 horas, no auditório da unidade hospitalar.
Na oportunidade serão entregues certificados a ex-fumantes acompanhados pelo Programa de Atendimento ao Tabagismo (PAT) do hospital, e que deixaram de fumar tem um ano. A programação também inclui uma palestra do pneumologista Francisco Hora Fontes, do Programa Estadual de Combate ao Tabagismo, sobre o tema “Como resistir à tentação do cigarro?”. Em seguida, serão entregues os certificados aos ex-fumantes e lançada oficialmente a extensão do programa (PAT), para atender pacientes internados no HEOM.